Arquivo da tag: Educação Básica

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE CORONEL FABRICIANO DIVULGA CRONOGRAMA PARA DESIGNAÇÃO PRESENCIAL DE SERVIDORES


Designações de servidores para as escolas estaduais começam no dia 29 e se encerram em 31 de janeiro de 2020

Confira:

Cronograma – Designação Presencial 2020 – SRE de Coronel Fabriciano

Curso “Currículo Referência de Minas Gerais: conhecê-lo para implementá-lo” está com inscrições abertas


Interessados podem se inscrever até o próximo dia 20/01

A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG), por meio da Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores de Minas Gerais, está divulgando nova turma para o curso “Currículo Referência de Minas Gerais: conhecê-lo para implementá-lo ”. Continuar lendo Curso “Currículo Referência de Minas Gerais: conhecê-lo para implementá-lo” está com inscrições abertas

Resultados finais do Censo Escolar 2019 estão disponíveis


Há dados do ensino regular, da educação de jovens e adultos e da educação especial

Já estão disponíveis os resultados finais do Censo Escolar 2019. Os dados foram divulgados na edição desta segunda-feira, 30 de dezembro, do Diário Oficial da União (DOU). Constam na portaria os números referentes às matrículas da rede pública na educação infantil, no ensino fundamental e médio do ensino regular e do fundamental e médio da educação de jovens e adultos (EJA).

O quantitativo de matrículas na rede pública serve como base para o cálculo dos coeficientes de distribuição dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Para fins de distribuição dos recursos do Fundeb, são consideradas exclusivamente as matrículas presenciais das escolas públicas das redes municipais e estaduais, urbanas e rurais, em tempo parcial e integral.

A publicação traz ainda o número de matrículas exclusivas da educação especial (alunos de escolas especiais, classes especiais e incluídos) na rede pública de ensino. As informações também podem ser acessadas pelo site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), vinculado ao Ministério da Educação (MEC) e responsável pelo levantamento.

A divulgação completa dos resultados do Censo Escolar, que inclui as sinopses estatísticas e os microdados para todas as redes de ensino, está prevista para o final de janeiro de 2020.

Censo Escolar – O Censo Escolar é uma pesquisa estatística que tem por objetivo oferecer um diagnóstico sobre a educação básica brasileira. Coordenado pelo Inep, é realizado em regime de colaboração entre a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios. A pesquisa é declaratória, de abrangência nacional e coleta informações de todas as escolas públicas e privadas, suas respectivas turmas, gestores, profissionais escolares e alunos de todas as etapas e modalidades de ensino: ensino regular, educação especial, EJA e educação profissional.

Assessoria de Comunicação Social, com informações do Inep

Produções podem ser enviadas para Olimpíada de Língua Portuguesa a partir desta segunda, 12


A partir de hoje, 12 de agosto, diretores de escolas públicas vão poder indicar os melhores textos e documentários produzidos por estudantes para a 6ª Olimpíada de Língua Portuguesa (OLP). A edição deste ano conta com mais de 170 mil inscrições.

O tema da competição é “O Lugar Onde Vivo”. Além das categorias poema, memórias, crônica e artigo de opinião, a novidade de 2019 é a categoria documentário para alunos do 1º e 2º anos do ensino médio.

O envio do material pelos diretores deve ser feito pelo site do programa Escrevendo o Futuro até 19 de agosto. Estão representadas mais de 42 mil escolas — com alunos do 5º ano do ensino fundamental à 3ª série do ensino médio — em quase 4.900 municípios espalhados pelo Brasil.

Os diretores das escolas são, agora, responsáveis por darem continuidade a essa representatividade na próxima fase. “Os diretores devem formar a comissão julgadora e também cadastrar os selecionados. Os professores envolvidos também podem engajar os diretores para que a escola não deixe de ser representada na próxima etapa”, explica Esdras Soares, da equipe organizadora da Olimpíada.

Para sanar as dúvidas de como enviar o material dos alunos, o site do programa fez um vídeo tutorial mostrando todos os passos. “O vídeo explica bem quem deve entrar no sistema, como faz para cadastrar os avaliadores, selecionar os textos e vídeos, enfim, todas as orientações bem detalhadas”, destaca Soares.

As melhores produções selecionadas por estado participam dos cinco encontros regionais – um para cada categoria, que neste ano serão realizados em São Paulo. “Eles [alunos das produções selecionadas] participam de atividades culturais e formativas, numa troca muito rica de experiências, uma diversidade regional e cultural muito bacana”, acrescenta Esdras Soares.

OLP – A Olimpíada é fruto de parceria entre o Itaú Social e o MEC, sob a coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). A ideia é apoiar os professores da rede pública no aprimoramento das práticas de ensino de leitura e escrita. A partir da metodologia do programa Escrevendo o Futuro, os professores realizam oficinas de produção de texto com os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio.

Luciano Marques, do Portal MEC

 

MEC e MCTIC lançam Programa Ciência na Escola com o objetivo de modernizar o ensino de Ciências


17/04/2019 - Lançamento do Programa Ciência na Escola - Fotos: Andre Sousa/MEC

O Ministério da Educação, em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), lançou nesta quarta-feira, 17, o Programa Ciência na Escola (PCE). O programa visa aprimorar a qualidade do ensino de ciências nos cursos fundamental e médio das escolas públicas brasileiras. O objetivo é estimular alunos para as carreiras científicas, qualificar professores para o ensino por investigação científica e fortalecer a interação entre instituições de educação superior e escolas de ensino fundamental e médio.

“A ciência é a melhor vacina contra o obscurantismo. A matemática e a razão são nossas aliadas na discussão contra ideologias totalitárias”, afirmou o ministro da Educação, Abraham Weintraub, no auditório Renato Archer, do MCTIC, onde o programa foi lançado. “Todos nós brasileiros, como nação, temos que fazer escolhas, e esse tipo de escolha, de alocar nossos recursos escassos numa iniciativa dessa, de valorizar a ciência, é justamente o que a gente quer fazer: manter investimento em educação, em pesquisa, em conhecimento.”

O PCE tem como meta modificar a forma como são transmitidos, assimilados e aplicados os conhecimentos científicos, em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), bem como incentivar a abordagem científica nas escolas de educação básica brasileira. O objetivo do programa é buscar inovações e soluções para os problemas concretos das diversas realidades regionais do país.

Os ministérios contam também com a parceria do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

“Temos milhões de crianças neste país que têm potencial e só precisam de um empurrãozinho para se tornarem um cientista, um empresário de sucesso, uma pessoa feliz, um cidadão produtivo para o país. Como é que se faz isso? Bom, usamos o que temos para ajudar essa garotada a ter um futuro promissor. É colocar nas mãos deles a possibilidade de estudar, possibilidade de conhecer”, reforçou o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes. Continuar lendo MEC e MCTIC lançam Programa Ciência na Escola com o objetivo de modernizar o ensino de Ciências

Programa apoiará implementação da Base Nacional Comum Curricular pelos estados e municípios


O Ministério da Educação lançou nesta quinta-feira, 4, o Programa de Apoio à Implementação da Base Nacional Comum Curricular (ProBNCC), que visa auxiliar estados, municípios e o Distrito Federal na elaboração e implementação de seus currículos alinhados à BNCC. A soma dos valores que serão investidos este ano nesse programa chega a R$ 105 milhões.

A iniciativa está organizada em duas frentes. Uma para educação infantil e ensino fundamental, que em 2019 corresponde à formação dos profissionais de educação e revisão dos projetos pedagógicos, e outra para o ensino médio, referente à revisão e à elaboração dos currículos.

O secretário executivo do MEC, Ricardo Machado Vieira, destaca a importância do trabalho conjunto com as equipes dos estados e dos municípios para a implementação da BNCC. “O MEC vai buscar sempre essa participação. Precisamos implementar realmente esse projeto e eu acho que a base comum curricular é um sinalizador para que os secretários de educação dos estados possam conduzir praticamente dentro da organização federativa, com o apoio e sempre com a participação do MEC.”

No programa, os participantes elaboram os currículos de ensino médio alinhados à BNCC e aos Referenciais Curriculares para Elaboração dos Itinerários Formativos (RCEIF). A previsão é de que, a partir dos currículos elaborados em 2019, todos os professores estejam formados em 2020 e, em 2021, as escolas comecem a usar esses currículos em sala de aula. Entre as atribuições, os estados precisarão elaborar a parte comum do conteúdo que será ensinado para todos os alunos, nas áreas de linguagens, matemática, ciências humanas e ciências da natureza.

Para este ano serão oferecidas 1457 bolsas de formação de multiplicadores da BNCC. Desse total, 809 serão para professores de educação infantil e ensino fundamental, e 648 para docentes do ensino médio. O primeiro encontro formativo presencial será realizado ainda no primeiro semestre. Danilo Leite Dalmon, coordenador geral de Inovação e Interação com o Trabalho, da Secretaria de Educação Básica (SEB) do MEC, explica como será feita a seleção dos bolsistas. “A comissão estadual de currículo faz a seleção desses profissionais, que devem ser professores das redes. Eles passam a participar dessa formação que o MEC oferece sobre como elaborar e implementar currículo, como revisar projeto pedagógico e como formar os professores.” Continuar lendo Programa apoiará implementação da Base Nacional Comum Curricular pelos estados e municípios

Formação pela Escola – Programas do Livro


download

No decorrer de 2019, o Programa Formação pela Escola/FNDE estará oferecendo o curso “Programas do Livro”, na modalidade EAD, para Especialistas de Educação Básica (EEB) e Professores do Uso da Biblioteca (PEUB).

Com carga horária de 40h, o curso objetiva estimular os processos cooperativos de operacionalização do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), bem como favorecer a valorização, o uso crítico, a conservação e a devolução dos livros didáticos, contribuindo para o fortalecimento da gestão da escola pública do país. O curso trata ainda da história do livro didático no Brasil, das características de cada programa do livro, suas operacionalizações, compromissos, ética e legislação. Cidadania e gestão democrática da informação para o Controle Social também é tema a ser abordado.

 Faça sua inscrição até o dia 25/04/2019 pelo link: 

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf0h3jP6GpPa8Vz5bg3xmRNE4gMBxwIqrAYYLMTdZhd0kK5uw/viewform

Mais esclarecimentos, enviar e-mail para: flavia.peron@educacao.mg.gov.br

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO DE CORONEL FABRICIANO AGENDA 2ª REUNIÃO COM DIRETORES E ESPECIALISTAS EM EDUCAÇÃO BÁSICA


Estão na pauta de reuniões a construção dos Itinerários Avaliativos de Minas Gerais e a reformulação do Projeto Político Pedagógico das escolas estaduais

Lançado em sua 2ª edição pela Secretaria de Estado de Educação (SEE), os Itinerários Avaliativos compõem o Programa de Desenvolvimento Profissional de Gestores das Escolas do Estado de Minas Gerais. As páginas de acesso foram disponibilizadas às escolas no dia 18 de março. Para visualização e preenchimento dos formulários basta acessar o endereço eletrônico: http://itinerariosmg.caeddigital.net .

Conheça o Programa:

Documento Orientador para Escolas Estaduais – Itinerários Avaliativos 2019

Ofício Circular SB-SAE-DAAP nº 01-2019

Assista ao vídeo:

Confira o cronograma de reuniões:

Polo Coronel Fabriciano (Escolas Estaduais de Coronel Fabriciano)

 

Data

Horário

Local

Especialistas do turno matutino

21/03

 (Quinta-feira)

das 7h30 às 11h30

Polo Universitário Estácio de Sá

Rua São José, 42  Bairro Santo Elói Coronel FabricianoPróximo ao Supermercado Bretas do distrito de Melo Viana)
Especialistas do turno vespertino

 

21/03

 (Quinta-feira)  

das 13h às 17h

Especialistas do noturno e Diretores

21/03

 (Quinta-feira)  

das 7h30 às 11h30 ou das 13h às 17h

Polo Timóteo (Escolas Estaduais de Antônio Dias, Jaguaraçu, Marliéria e Timóteo)

 

Data

Horário

Local

Especialistas do turno matutino

21/03

(Quinta-feira)

das 7h30 às 11h30

EE Antônio Silva

Rua Dezenove de Novembro, 321  Centro – Timóteo

Especialistas do turno vespertino

 

21/03

(Quinta-feira)  

das 13h às 17h

Especialistas do noturno e Diretores

21/03

(Quinta-feira)  

das 7h30 às 11h30 ou das 13h às 17h

Polo Ipatinga (Escolas Estaduais de Belo Oriente, Ipatinga e Santana do Paraíso)

 

Data

Horário

Local

Especialistas do turno matutino

21/03

(Quinta-feira)

das 7h30 às 11h30

FACULDADE FADIPA

Rua João Patrício Araújo, 195 – Bairro Veneza, Ipatinga

Próximo à Churrascaria Encantado do bairro Veneza

Especialistas do turno vespertino

 

21/03

(Quinta-feira)  

das 13h às 17h

Especialistas do noturno e Diretores

21/03

(Quinta-feira)  

das 7h30 às 11h30 ou das 13h às 17h

Polo Joanésia (Escolas Estaduais de Braúnas, Joanésia e Mesquita)

 

Data

Horário

Local

Especialistas do turno matutino

27/03

 (Quarta-feira)

das 8h às 12h

EE Professor Antônio Marciano

Rua Deusdedit Assis Morais, s/n Joanésia

Especialistas do turno vespertino

 

27/03

 (Quarta-feira)  

das 13h às 17h

Especialistas do noturno e Diretores

27/03

 (Quarta-feira)  

das 8h às 12h ou das 13h às 17h

Com informações da Divisão de Equipe Pedagógica

Boletim semanal – Lançamento da 6ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa


Lançamento da 6ª edição da Olimpíada

O evento contou com a participação da escritora homenageada Conceição Evaristo.

➜ Saiba mais


A Olimpíada de Língua Portuguesa começou

Estão abertas as inscrições e adesões para a 6ª edição da Olimpíada. Inscreva-se até 30 de abril!

➜ Saiba mais

Escrevendo o Futuro lança websérie

Estudantes e professores são protagonistas da série “Meu lugar tem histórias – Olimpíada de Língua Portuguesa: uma escrita coletiva sobre o Brasil”.
➜ Saiba mais

O encontro da sala de aula com a Olimpíada

Olímpia fala sobre o diálogo entre as diretrizes curriculares e a “proposta olímpica” de trabalho com gêneros discursivos.

➜ Saiba mais

WWW.ESCREVENDOOFUTURO.ORG.BR

Secretaria de Educação apresenta planejamento de 2019 para implementação do Currículo Referência de Minas Gerais


VideoConferncia

A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE) realizou, nesta terça-feira (19/02), uma videoconferência com representantes das Superintendências Regionais de Ensino da rede estadual de ensino e também das redes de educação de centenas de municípios mineiros para apresentar o planejamento da implementação do Currículo Referência de Minas Gerais a partir de 2020 nas escolas públicas de Minas Gerais. A apresentação online em tempo real durou cerca de uma hora e contou com a participação de cerca de 500 profissionais da educação.

A subsecretária de Desenvolvimento de Educação Básica, Geniana Guimarães Faria, participou da transmissão e reforçou a importância do envolvimento de todos em mais uma etapa necessária para a consolidação do Currículo Referência de Minas Gerais. “Este é um momento muito importante para todos nós. Temos o grande desafio de iniciar o processo de implementação do Currículo, então peço que tenhamos o mesmo esforço que foi feito na sua elaboração, que resultou em um documento tão representativo para a educação em toda Minas Gerais. Este é o momento de conhecer o planejamento para 2019 e as quatro frentes de atuação que vão orientar esse processo. Um ótima oportunidade, das muitas que virão, de interação, troca de ideias, respostas a questionamentos, ou seja, de muito diálogo”, explicou Geniana.

Continuar lendo Secretaria de Educação apresenta planejamento de 2019 para implementação do Currículo Referência de Minas Gerais

Portal do Novo Ensino Médio já está disponível para acesso


O Portal Novo Ensino Médio, lançado pelo ministro da Educação, Rossieli Soares, na última sexta-feira, 14, já está no ar. A ferramenta reúne informações sobre as políticas, programas e ações desenvolvidas pelo Ministério da Educação para a implementação do ensino médio nas redes de ensino e escolas de todo o país. Na página, é possível ter acesso, por exemplo, ao Guia de Implementação do Novo Ensino Médio e ao documento dos referenciais para a elaboração dos itinerários formativos previstos nas diretrizes curriculares nacionais, que está em fase de finalização.

Construído a partir do trabalho colaborativo entre o MEC e o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), o Guia de Implementação do Novo Ensino Médio tem o objetivo de auxiliar técnicos das redes de ensino e gestores escolares na efetivação das mudanças previstas na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). O material explica as mudanças em curso e aponta para um caminho de implementação que considera o estudo das novas possibilidades, os diagnósticos dos recursos das redes, a elaboração ou reelaboração dos currículos estaduais e a implementação das mudanças nas escolas de ensino médio. Continuar lendo Portal do Novo Ensino Médio já está disponível para acesso

Etapa do ensino médio é homologada e Base Nacional Comum Curricular está completa


O ministro da Educação, Rossieli Soares, homologou nesta sexta-feira, 14, a etapa do ensino médio da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Assim, a BNCC da Educação Básica está completa, com a definição dos conteúdos que todos os alunos têm o direito de aprender no decorrer do percurso escolar. “O Brasil está definindo pela primeira vez onde cada aluno precisa chegar em cada um dos anos do ensino médio”, comemorou o ministro. “O que vem agora é uma etapa muito importante de discussão com as escolas, pais e professores, para construção dos currículos.”

Rossieli destacou, ainda, a integração entre as áreas do conhecimento a partir da aprovação da BNCC. “O que foi aprovado é para que trabalhemos por área, com todos os professores de todos os componentes. Queremos trazer flexibilidade, protagonismo para os jovens e que eles possam discutir o seu projeto de vida. Vamos estar mais próximo deles nesse processo de aprendizagem para que eles entendam por que estão estudando. Este ensino médio que foi pedido pelos estudantes por muito tempo”, disse. Continuar lendo Etapa do ensino médio é homologada e Base Nacional Comum Curricular está completa

Secretaria de Educação e Undime entregam Currículo Referência de Minas Gerais


Educadores celebram finalização do documento; próximas etapas envolvem normatização e formação de profissionais da Educação

Currculo 01
Currículo Referência de Minas Gerais é entregue pela Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais e Undime-MG ao Conselho Estadual de Educação de Minas Gerais. Foto: Franciele Xavier (SEE/MG)

A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE) realizou no dia 11/12, no Hotel Dayrell, em Belo Horizonte, o Encontro Estadual do Currículo Referência de Minas Gerais para apresentar o documento final discutido ao longo de 2018 e entregá-lo ao Conselho Estadual de Educação, bem como à União dos Conselhos Estaduais de Educação.

O ato de entrega representa um marco histórico para a Educação em Minas Gerais, pois significa a finalização de um documento pensado, elaborado e redigido por milhares de pessoas, no primeiro regime de colaboração entre a SEE e a União dos Dirigentes Municipais de Educação em Minas Gerais (Undime-MG) e que contou, também, com a participação de dezenas de outras entidades. Cerca de 350 pessoas que estiveram envolvidas no processo de discussão do documento estavam presentes na cerimônia. Continuar lendo Secretaria de Educação e Undime entregam Currículo Referência de Minas Gerais

Homologação das Diretrizes Curriculares Nacionais pelo ministro começa a mudar o ensino médio


 

O ministro da Educação, Rossieli Soares, homologou, nesta terça-feira, 20, as novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) do Ensino Médio, conjunto de regras orientadoras da implementação da reforma desse nível da educação em todo o Brasil. O documento foi aprovado, no início deste mês, pela Câmara de Educação Básica (CEB), do Conselho Nacional de Educação (CNE), órgão consultivo e normativo do MEC.

“Durante toda a discussão da lei da reforma do ensino médio, as diretrizes curriculares sempre foram tidas como um passo importante de regulamentação, por parte do CNE”, afirmou Rossieli Soares. “Então hoje estão esclarecidos, colocados limites em uma série de coisas que os estados poderão fazer a partir já do próximo ano. Teremos discussões importantes, ainda esse ano, para a conclusão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que também é outro passo fundamental para a implementação do novo ensino médio. Hoje essa diretriz traz uma série de regulamentações para dar claridade e segurança jurídica para os próximos passos dos sistemas de ensino, das escolas que vão discutir e construir com seus conselhos estaduais”, completou o ministro.

As novas diretrizes curriculares orientam a elaboração dos novos currículos do ensino médio e, ao mesmo tempo, servem de parâmetro para a definição da BNCC – etapa do ensino médio. Com a homologação, as redes e sistemas de ensino já podem começar a organizar as formas de oferta do novo ensino médio, embora, por lei, as mudanças nos currículos desse nível educacional devam ser feitas em até dois anos após a aprovação da BNCC dessa etapa, que atualiza seu formato e ainda está em discussão.

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é um dos pontos abordados pela nova diretriz. “Ele continuará sendo executado em dois dias, sendo que o primeiro será para as habilidades e competências que serão previstas na BNCC”, explicou Rossieli Soares. “O segundo dia será de escolha do aluno para um dos itinerários formativos, especialmente as quatro áreas de conhecimento, podendo ainda ter o referencial e itinerário técnico que também fará parte.”

Rossieli Soares reforçou, contudo, que a mudança do Enem depende da aprovação da base, da construção de matrizes da avaliação, que ainda serão feitas pelo Inep após a BNCC. “Estamos falando de ter efetivamente a aplicação de novo Enem para o ano de 2021”, afirmou o ministro. Continuar lendo Homologação das Diretrizes Curriculares Nacionais pelo ministro começa a mudar o ensino médio

SRE DE CORONEL FABRICIANO LANÇA CONCURSO LITERÁRIO INSPIRADO NO MOVIMENTO MAIO AMARELO


Podem participar estudantes das escolas das redes pública e privada da regional

Com o tema Segurança no Trânsito. Todos somos responsáveis!”, a Superintendência Regional de Ensino de Coronel Fabriciano promove o Concurso de frases, poemas, notícias, produções de textos dissertativos, crônicas e memórias, envolvendo estudantes do Ensino Fundamental, Ensino Médio, Cursos Profissionalizantes e EJA, abrangendo as escolas públicas e privadas da jurisdição.

Pautado no Movimento Maio Amarelo o Concurso tem o objetivo de trabalhar a concepção de trânsito muito além do mero conhecimento de leis e regras, mas proporcionar aos estudantes momentos de análise reflexiva sobre a realidade. Estimulando o exercício da cidadania, da ética e da democracia, possibilita-se que as mudanças de postura se concretizem e resultem num trânsito mais seguro e humanizado, contribuindo para a preservação da vida.

Poderão participar estudantes do Ensino Fundamental (1º ao 9º ano de escolaridade), Ensino Médio, Cursos Profissionalizantes e EJA, abrangendo as escolas das redes pública e privada da regional, orientados por um professor de Língua Portuguesa (Professor Orientador), de acordo com as categorias:

a) Categoria I – Estudantes do 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental (Frase).

b) Categoria II – Estudantes do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental (Poema).

c) Categoria III – Estudantes do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental (Notícia).

d) Categoria IV – Estudantes do Ensino Médio – 1º ao 3º ano (Texto Dissertativo).

e) Categoria V – Estudantes de Cursos Profissionalizantes: Rede Estadual de Educação Profissional (REDE), Mediotec, Pronatec e Curso Normal – Professor de Educação Infantil (Crônica).

f) Categoria VI – Estudantes da Educação de Jovens e Adultos do Ensino Fundamental e Ensino Médio – EJA (Memória).

Cada Instituição de Ensino poderá enviar somente 01 (um) trabalho por modalidade, de acordo com o tema estabelecido. Os trabalhos selecionados deverão ser protocolados na SRE de Coronel Fabriciano até o dia 17 de julho.

Confira o Regulamento na íntegra:

CONCURSO “Segurança No Trânsito. Todos somos responsáveis!”

 

Artes plásticas são o tema de Salto para o Futuro da semana


Em 1922, a Semana de Arte Moderna colocou em foco a arte brasileira e questionou padrões estéticos europeus até então reverenciados em todo o país. Considerado um marco na cultura brasileira, o evento ajudou a ampliar a abordagem das artes plásticas nas escolas. Salto para o Futuro desta quarta, 21, aborda esse tema a partir do questionamento da abrangência que a formação curricular direcionada à arte deve ter. O programa vai ao ar às 20h pela TV Escola, órgão vinculado ao Ministério da Educação.

De 1922 para cá, muitos eventos artísticos foram realizados no Brasil, revelando uma grande diversidade de talentos. O programa foca na contribuição que representa apreciar as obras desses artistas plásticos, entre pintores, escultores e gravuristas.

“Por que a arte é importante na escola?”,  propõe a convidada Roseli Alves, coordenadora do Instituto Arte na Escola, de São Paulo. “Porque ela é importante fora da escola. As crianças estão submetidas à cultura visual, que não é só a arte acadêmica. São imagens, outdoors, grafites. Então a arte vai fazer com que o olhar dessa criança seja muito bem trabalhado, seja o senso crítico, seja o senso estético.”

Também presente nesta edição de Salto para o Futuro, Luiz Pizarro, pintor, arte-educador e coordenador de projetos educacionais no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM), destaca que o museu deve ser um espaço complementar à escola, e não apenas um local onde se ensina arte. “Houve uma experiência muito interessante em que um menino saiu de perto de sua turma e ficou em torno de uma escultura de Maria Martins que ‘namorava’ com o surrealismo”, conta. “Perguntei o que ele mais gostou e ele disse: ‘eu não sei, mas me encantou’. É isso que a gente quer: que cada um tenha o seu olhar, respeite o olhar do outro e que veja que isso vai formar um todo. Que isso é o aprendizado, isso é a cultura.”

 Apresentado por Bárbara Pereira e Murilo Ribeiro, Salto para o Futuro também pode ser acompanhado, em tempo real, no site e nos aplicativos da TV Escola.

Assessoria de Comunicação Social do MEC

Melhores práticas de educação fiscal concorrerão a prêmio


A consciência sobre importância e boa aplicação dos impostos, cuja a abordagem transversal ao currículo escolar está entre as sugestões do Ministério da Educação para a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC), é tema do Prêmio Nacional de Educação Fiscal. Com inscrições abertas até 15 de julho, o prêmio é promovido pela Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), pela Escola de Administração Tributária (Esaf) e pelo Programa Nacional de Educação Fiscal e tem por objetivo valorizar as melhores práticas de educação fiscal do país.

“Precisamos ter a consciência da importância dos tributos”, explica o presidente da Febrafite, Roberto Kupski. “Procuramos valorizar os projetos que tratam deste tema, que é um tema difícil. Nós temos que pagar os impostos para que o estado cumpra seu papel e temos que ajudar a fiscalizar a aplicação dos impostos que foram pagos. Isto é educação fiscal. Conscientização de que o estado precisa arrecadar e gastar bem.”

Podem concorrer ao prêmio escolas, universidades, órgãos públicos, empresas de imprensa, jornalistas, dentre outras pessoas jurídicas que desenvolvam, diretamente, projetos voltados à área da educação fiscal em suas comunidades locais.

A intenção é incentivar mecanismos de aprendizagem, para permitir ao cidadão o acompanhamento da correta aplicação dos recursos provenientes dos impostos pela administração pública, seja federal, estadual ou municipal, para atendimento das demandas sociais existentes.

Na edição deste ano, seis trabalhos serão premiados em três categorias – Escola, Instituições e Imprensa. Na Categoria Escolas, o primeiro colocado receberá 10 mil reais, o segundo 5 mil reais e o terceiro 3 mil reais. Já o primeiro colocado na Categoria Instituições receberá 10 mil reais e o segundo 5 mil reais. Haverá também uma premiação de melhor reportagem na Categoria Imprensa, com direito a troféu e um prêmio em dinheiro de 2 mil reais.

Escolas – O coordenador geral de educação ambiental e temas transversais da educação básica do MEC, Felipe Felisbino, destacou a importância deste prêmio no sentido de difundir e incentivar ações focadas na temática da educação fiscal. “A iniciativa do prêmio é salutar, porque difunde a temática e cria a cultura do interesse, manifesto em favor deste conhecimento, e para que isso seja levado pelo aluno para dentro das famílias, para que o consumo sustentável, a educação financeira e fiscal passe ao cotidiano das famílias. Acredito no envolvimento e participação dos gestores escolares lançando mão desta oportunidade”, disse.

Ele comentou, ainda, que o MEC tem trabalhado no encaminhamento deste tema e de outros em uma abordagem que perpasse as diferentes matérias presentes na grade curricular, isto é, transversalmente. Além da educação ambiental, Felisbino citou a educação no trânsito, os direitos da criança e do adolescente, meio ambiente, respeito ao processo de envelhecimento e direitos humanos. “A partir da constituição da BNCC, estes temas ficaram mais fortes. Estamos desenvolvendo esta temática para colocá-la não como integrantes de currículo, mas alinhada e na transversalidade dentro de todas as disciplinas.”  

Roberto Kupski, por outro lado, destacou a importância de abordar este tema nas escolas e lembrou que, em edições anteriores do prêmio, grande parte das instituições de ensino inscritas focaram na preservação do patrimônio público. “Teve casos de escolas que fizeram trabalho atingindo mais de 15 mil pessoas. Essa consciência de preservação do patrimônio público que muitas escolas têm incutido em seus alunos é um bom exemplo de como trabalhar a educação fiscal.“

Para ambos, a educação financeira e fiscal serão balizadoras deste novo momento na educação brasileira, e com a aprovação da Base Nacional Curricular Comum, a tendência é que sejam divulgadas com mais força e se tornem uma prática comum em todas as instituições de ensino brasileiras.

Acesse o regulamento e a ficha de inscrição na página do prêmio

Assessoria de Comunicação Social do MEC

Escolas podem inscrever trabalhos para Feira de Ciências e Tecnologia


Podem ser inscritos trabalhos científicos desenvolvidos por alunos do 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Ensino Técnico

Escolas públicas e privadas de Minas Gerais podem inscrever, até 28 de julho, trabalhos científicos para a 3ª edição da Feira Estadual de Ciências e Tecnologia (FECETE). Organizado pela Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa (ETE/FMC), o evento é aberto ao público e será realizado entre os dias 05 e 06 de outubro, na ETE/FMC, localizada no município de Santa Rita do Sapucaí.

As instituições de ensino interessadas em submeter propostas devem ler, atentamente, o regulamento do evento. Em seguida, se inscrever, gratuitamente, por meio do formulário disponível aqui. No momento da inscrição, é obrigatório desenvolver e enviar o Relatório Técnico do trabalho. Os modelos e todas as orientações estão relacionados na aba “Orientações e Modelos”, no site da FECETE.

Podem ser inscritos trabalhos científicos desenvolvidos por alunos do 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Ensino Técnico, nas categorias: Ciências Biológicas e da Saúde, Ciências Exatas e da Terra, Ciências Sociais e Humanas e Engenharias. Cada escola poderá enviar propostas desenvolvidos por equipes de, no máximo, 03 integrantes. Os estudantes deverão ter até 20 anos de idade (não poderão completar 21 anos em outubro de 2017) e só poderão ser indicados para participar de apenas um trabalho científico.

Todas as propostas precisarão ter um professor orientador, podendo haver ainda um coorientador. Os educadores poderão participar de múltiplos trabalhos, deverão ter no mínimo 21 anos durante a orientação, e estar cursando ou ter concluído o Ensino Superior. A participação desses profissionais não é obrigatória durante a realização da FECETE, mas seus nomes devem ser informados na documentação dos trabalhos. Confira aqui todas as normas de inscrição.

A avaliação dos trabalhos será realizada por um comitê designado pela Comissão Organizadora. O Comitê avaliará a qualidade do trabalho científico, o nível de compreensão que o estudante possui sobre sua pesquisa e área de estudo. A demonstração ou material físico no estande é secundário ao conhecimento do aluno sobre o assunto.

A FECETE

Reunindo estudantes de diferentes escolas e cidades de Minas Gerais, a Feira Estadual de Ciências e Tecnologia (FECETE) objetiva favorecer o intercâmbio entre os educandos, despertar o interesse por carreiras científico-tecnológicas e promover a integração entre instituições de ensino, pesquisa e meio empresarial, possibilitando o desenvolvimento, a aplicação e a divulgação de novas tecnologias.

Fonte: http://www.educacao.mg.gov.br

Evasão no ensino médio supera 12%, revela pesquisa inédita


A maior taxa de evasão revelada pelo Censo Escolar entre 2014 e 2015 foi de 12,7% dos alunos matriculados na primeira série do ensino médio, seguida por 12,1% dos matriculados na segunda série. A terceira maior taxa de evasão é no nono ano ensino fundamental, que registrou 7,7%. Os números fazem parte dos indicadores de fluxo escolar na educação básica, divulgados pela primeira vez pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), nesta terça-feira, 20.

A terceira série do ensino médio teve 6,7% de evasão, que chegou a 11% do total de alunos nessa etapa de ensino. A metodologia que tornou possível esse levantamento, feito a partir do acompanhamento longitudinal da trajetória dos estudantes, completa 10 anos, e os resultados foram apresentados durante o seminário 10 Anos de metodologia de coleta de dados individualizada dos censos educacionais, realizado pelo Inep.

Os números inéditos representam um grande avanço no monitoramento da educação e na condução das políticas públicas e só são possíveis a partir da coleta de dados individualizados, adotada pelo Censo Escolar desde 2007, e que permitiram um acompanhamento do estudante ao longo de sua trajetória escolar. Uma das principais contribuições é a possibilidade de acompanhar os indicadores de todo o território nacional.

A série histórica revela, em todas as etapas de ensino, uma queda progressiva na evasão escolar de 2007 a 2013, mas o comportamento se altera em 2014, quando as taxas aumentam. A evasão é maior nas escolas rurais, em todas as etapas de ensino. O estado do Pará tem a mais alta taxa de evasão em todas as etapas de ensino, chegando a 16% no ensino médio.

Migração – A migração para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) é mais expressiva ao final do ensino fundamental, quando chega a 3,2% e 3,1%, no sétimo e oitavo anos, respectivamente. Em relação à rede de ensino, a migração é maior na rede municipal dos anos finais do ensino fundamental, quando alcança uma taxa de 3,8%. Já no ensino médio, a migração é mais expressiva na rede estadual de ensino, com 2,2%.

Já os indicadores de promoção e repetência não são inéditos, mas pela primeira vez são divulgados com detalhamento para todo o território nacional. É possível, por exemplo, observar as taxas de cada unidade da Federação e município. Entre 2014 e 2015, a repetência na primeira série do ensino médio chega a 15,2%. O índice também é alto no sexto ano do ensino fundamental, com taxas de 14,1% de repetência.

Rendimento – Os indicadores de rendimento se referem à situação final do aluno ao final de um período letivo declarada no Censo Escolar, podendo o mesmo ser aprovado, reprovados ou ter abandonado a escola durante aquele ano letivo. Já os indicadores de fluxo escolar avaliam a transição do aluno entre dois anos consecutivos considerando os seguintes cenários possíveis: promoção, repetência, migração para EJA e evasão escolar.

O Seminário 10 Anos da Metodologia de Coleta de Dados Individualizados dos Censos Educacionais faz parte das comemorações dos 80 anos de fundação do Inep e será encerrado nesta quarta-feira, 21, em Brasília.  A programação envolve debates sobre os ganhos informacionais com a mudança da metodologia de coleta de dados, a potencialidade de uso das bases de dados estatísticos e os desafios futuros.

Nesta quarta-feira, 21, o Inep reapresentará os indicadores de trajetória do discente da educação superior, divulgados no Censo da Educação Superior 2015, além de divulgar dados inéditos sobre a remuneração média dos docentes da educação básica.

Assessoria de Comunicação Social do MEC